REPRODUÇÃO HUMANA: AS CINCO PERGUNTAS MAIS FREQUENTES.

4 de janeiro de 2019

 

  1. O que são técnicas de reprodução humana?

As técnicas de reprodução humana incluem: a relação sexual programada (coito programado), a inseminação intra-uterina e a Fertilização In Vitro. Este tratamentos estão dispostos em graus de complexidade e indicados para diferentes problemas do casal. Para saber mais: https://dragabriellamacielcollier.com.br/tratamentos/

 

  1. Quais são os riscos de cada uma delas?

O principal risco relacionado a todas as técnicas de reprodução humana é a gestação múltipla. Como todos estes tratamentos envolvem a indução da ovulação, aumenta-se a chance de múltiplos óvulos e, consequentemente, múltiplos embriões. Assim, o médico deve ter cautela quando realizá-los. Outro problema importante é a Síndrome de Hiperestimulação Ovariana, quando há uma resposta exagerada às medicações usadas na indução da ovulação. O acompanhamento de um bom profissional diminui consideravelmente estes riscos.

 

  1. A geração de bebês múltiplos ainda é um fator comum para este tipo de gestação?

Sim. Os tratamentos de reprodução humana aumentam a chance de gestações múltiplas (gemelares, trigemelares, etc.), por induzirem a produção de um número maior de óvulos e embriões. No entanto, muito se tem feito para amenizar este risco. Além disso, é sempre bom ressaltar que a chance de gestação múltipla é menor do que a chance de gestação única.

 

  1. Bebês gerados a partir de técnicas de reprodução assistida tendem a nascer prematuros?

A prematuridade está relacionada a gestações múltiplas. Assim, uma gravidez única após fertilização in vitro não tem risco aumentado de prematuridade. Já uma gestação múltipla, tanto pós-fertilização quanto espontânea, tem risco aumentado.

 

  1. As técnicas de reprodução assistida são eficientes? Que fatores prejudicam o sucesso deste tipo de tratamento?

Houve uma grande melhora dos resultados das técnicas de reprodução humana. A Fertilização In Vitro, por exemplo, apresenta uma chance de sucesso de 40%, em média. Apesar de não parecer excelente, ela representa o dobro da chance que um casal sem problemas para engravidar. Além disso, muito se tem feito para atingir resultados ainda melhores.

Os dois principais fatores que prejudicam o sucesso do tratamento andam lado a lado: a idade da mulher e a quantidade e qualidade dos óvulos. Mulheres com mais de 40 anos de idade, por exemplo, apresentam uma chance consideravelmente menor do que as mais jovens. Outros fatores importantes são: baixa quantidade e qualidade dos espermatozoides, presença de endometriose grave e associação de múltiplas causas de infertilidade.

 

Postado em Blog por rafael